Redação Onde.ir

Agroindústrias atendidas pelo Programa Gramado Colônia estão presentes na Festa da Colônia

Valorizar e reconhecer o trabalho do agricultor de Gramado. Esse é um dos principais objetivos da Festa da Colônia, que começou no dia 1° e vai até 19 de maio no ExpoGramado. Segundo a Secretaria de Agricultura, 27 agroindústrias diretamente ligadas ao Programa Gramado Colônia, que visa ampliar o auxílio à agricultura familiar e o desenvolvimento da produção rural pela agregação de valor às matérias-primas, estão presentes na festa com a oferta de diversos produtos coloniais.

Um desses produtores é Jorge Weber, da Linha Moreira, que junto com sua família há mais de 30 anos, trabalha com a produção de derivados da cana-de-açúcar como melado, açúcar mascavo e schmier.

“A Prefeitura tem nos dado um apoio muito grande na questão da legalização, principalmente com a questão da documentação. Isso é muito bom para o nosso trabalho”, disse.

Ao aderirem ao programa, os produtores recebem incentivo para a formalização dos empreendimentos e apoio para divulgação e comercialização dos produtos.

“A importância do apoio do programa, se dá justamente para ajudá-las devido à dificuldade que a maioria enfrenta ao tentar legalizar sua agroindústria, por conta da burocracia do nosso país”, explicou o secretário da Agricultura, Alexandre Meneguzzo.

O Município também tem autorização para custear projeto arquitetônico de regularização ou construção, Plano de Prevenção Contra Incêndio (PPCI) e Laudos de Licenciamento Ambiental.

“Em 2017 tínhamos apenas uma agroindústria atendida pelo programa. Hoje já são 64 cadastradas e 48 já foram beneficiadas diretamente. Oito estão com processos em andamento, duas foram entregues totalmente legalizadas e outros em processo de finalização”, detalhou o secretário, que completou que a elevação do número de agroindústrias cadastradas, têm como objetivo incentivar a variação de produtos.

Meneguzzo acrescentou que o ideal é ter produtos diferentes para não haver uma desnecessária concorrência e que por isso, o programa tenta organizar a produção, incentivando a confecção de produtos inéditos, de modo a conseguir um universo maior de espaço comercial, além de permitir com essa diversidade, a união das agroindústrias no processo de comercialização.

 

Texto: Bruna Campos
Fotos: Júlia Angeli/ Carlos Borges

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *